Estadão

De Real para Realidade

i x Efeitos sonoros
Últimas Notícias

Em 2017, PF bate recordes e toma do narcotráfico R$ 600 milhões em bens

Leia maisFechar
Fabio Serapião 11/01/2018, 11h53 Em 80 operações especiais, policiais federais golpearam os \'barões das drogas\' e confiscaram 44,7 toneladas de cocaína e 313 de maconha, superando sua própria marca histórica

Foto: Reprodução/Sindicato dos Delegados da Polícia Federal

A Polícia Federal bateu seu recorde histórico de apreensões de cocaína e maconha em 2017. Por meio de operações das Delegacias de Repressão a Entorpecentes e do Grupo Especial de Investigações Sensíveis (GISE), a PF tirou de circulação 44,7 toneladas de cocaína e 313 toneladas de maconha. Os números são parte do balanço da Coordenação-Geral de Polícia de Repressão a Drogas (CGPRE).

Embora o número de operações especiais tenha diminuído no ano, 80 em 2017 e 121 em 2016, a quantidade de drogas apreendidas representa um recorde dentro da série histórica aferida desde 1995.

O valor de bens apreendidos também superou o ano de 2014, que detinha o recorde com R$ 323 milhões, e alcançou a cifra R$ 591,4 milhões em bens apreendidos pelas ações da PF.

Receba no seu e-mail conteúdo de qualidade

Logo você receberá os melhores conteúdos em seu e-mail.

Entre as principais operações realizadas a PF cita a Spectrum, responsável pela prisão de Luiz Carlos da Rocha, conhecido como ‘Cabeça Branca’ e apontado como um dos maiores ‘barões da droga’ do Brasil.

O traficante foi identificado pelos investigadores mesmo após realizar várias cirurgias plásticas para alterar seu rosto. A identificação foi possível após trabalho de peritos criminais que conseguiram mapear traços faciais do traficante com base em fotografias antigas.

O grupo liderado por ‘Cabeça Branca’, segundo a PF, operava com estrtutura empresarial e controlava áreas de prodição de drogas na selva da Bolívia, Peru e Colômbia.

A PF estima que a organização criminosa liderada pelo traficante introduzia cerca de 5 toneladas de cocaína por mês no Brasil por meio de aviões de pequeno porte que partiam dos países produtores, utilizando o espaço aéreo da Venezuela, e pousavam em fazendas brasileiras na fronteira entre os estados do Pará e Mato Grosso.

Outra operação citada no balanço da PF é a ‘Brabo’, realizada em setembro de 2017 por investigadores de São Paulo.

A investigação se deu por meio de cooperação com a agência americana de combate ao tráfico de drogas, DEA, e desarticulou uma organização criminosa que atuava na exportação de drogas por meio do porto de Santos.

Com base na Operação Brabo, a PF alertou autoridades da Antuérpia (Bélgica), Shibori (Inglaterra), Gioia Tauro (Itália) e Valência (Espanha) para que interceptassem carregamentos remetidos pelo grupo via porto de Santos.

Em 2017, a PF mais uma vez avançou sobre o grupo criminoso liderado por Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar. Na operação Espístola, realizada em maio, os investigadores descobriram que mesmo preso no presídio federal em Rondônia, Beira-Mar atuava no comando do tráfico em em outros negócios nas comunidades de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense.

R$ 591.400.000,00 = 11.828 Casas Populares
Linhas existentes - 335 km
Linhas que poderiam existir - 934 km
N

São Paulo

10 km
Vacinas dos últimos anos
Vacinas que poderiam ser compradas
Aedes aegypti - transmissor da Dengue / Chicungunya / Zica
Nº de repelente
14.964 casos de 2013 a 2016
1.125 cartelas de Tamiflu
225 casos por H1N1
Foto: Márcio Fernandes | Fonte base conversão: Estadão

Neste momento em que o País passa por uma situação crítica, com deficiência de serviços públicos básicos, diariamente há um volume de denúncias e suspeitas de desvio de dinheiro de proporções sempre surpreendentes. Milhares, milhões, bilhões. São cifras tão grandes que fica difícil para os leitores entender a real dimensão do problema. Com a ferramenta “De Real para Realidade”, o leitor vai poder interagir com as matérias do jornal, convertendo as quantias em benefícios como vacinas H1N1, ambulâncias, repelentes, casas populares, quilômetros de metrô, entre outros, conectando as notícias de onde o dinheiro desaparece com as notícias de onde ele está faltando.

Fonte base conversão: Estadão
O valor base de conversão de Ambulâncias é de R$ 82.406, baseado nas fontes fornecidas pelo Estadão Ambulância: R$ 82.406
O valor base de conversão de Caminhões-pipa é de R$ 516 (15 mil litros), baseado nas fontes fornecidas pelo Estadão Caminhão-pipa: R$ 516 (15 mil litros)
O valor base de conversão de Casas Populares é de R$ 200.000, baseado nas fontes fornecidas pelo Estadão Casa Popular: R$ 200.000
O valor base de conversão de Quilômetros de Metrô é de R$ 296.000.000, baseado nas fontes fornecidas pelo Estadão Km de Metrô: R$ 296.000.000
O valor base de conversão de Merendas Escolares é de R$ 2,22, baseado nas fontes fornecidas pelo Estadão Merenda Escolar: R$ 2,22
O valor base de conversão de Quadras Poliesportivas é de R$ 44.450, baseado nas fontes fornecidas pelo Estadão Quadra Poliesportiva: R$ 44.450
O valor base de conversão de Repelentes é de R$ 12, baseado nas fontes fornecidas pelo Estadão Repelente: R$ 12
O valor base de conversão de Tamiflus é de R$ 199 (75mg), baseado nas fontes fornecidas pelo Estadão Tamiflu: R$ 199 (75mg)
O valor base de conversão de Vacinas H1N1 é de R$ 120, baseado nas fontes fornecidas pelo Estadão Vacina H1N1: R$ 120
O valor base de conversão de Viaturas Policiais é de R$ 51.266 (Palio Weekend), baseado nas fontes fornecidas pelo Estadão Viatura Policial: R$ 51.266 (Palio Weekend)