Estadão

De Real para Realidade

i x Efeitos sonoros
Últimas Notícias

Receita registra movimentação suspeita em contas de ‘laranja’ de Lula

Leia maisFechar
Ricardo Brandt e Julia Affonso 04/10/2017, 05h00 Veja documento com dados de Glaucos da Costamarques Bumlai, acusado pela Lava Jato de ser usado em operação para lavagem de propinas da Odebrecht para ex-presidente

A equipe de investigação da Receita Federal na Operação Lava Jato identificou que o “laranja” de Lula na compra do apartamento 121, do Edifício Hill House, em São Bernardo do Campo, Glaucos da Costamarques tem movimentação patrimonial e financeira suspeita, tendo suas contas possivelmente utilizadas para lavagem de dinheiro.

+ Juiz da Lava Jato manda hospital entregar registro de visitas a Glaucos

Planilha de ‘contas mensais’ apreendida na casa de Lula não registra aluguel de apartamento

Receba no seu e-mail conteúdo de qualidade

Logo você receberá os melhores conteúdos em seu e-mail.

Herdeira de apartamento em nome de primo de Bumlai diz que venda era para Lula

Documento

“Há razoável suspeita de que em alguns anos (especialmente 2010, 2011 e 2013), além da possibilidade de sonegação de receita, as contas bancárias de Glaucos da Costamarques podem ter sido utilizadas apenas como interposição para passagem de expressivos valores de terceiros”, informa a Receita.

‘Vencido no dia 31 de novembro’

‘É a verdade!’

Primo do pecuarista José Carlos Bumlai, a amigo de Lula que tinha livre acesso ao Planalto em seus governos e foi preso pela Lava Jato em 2015, Glaucos é réu em processo em que o petista é acusado de receber um prédio para ser sede do Instituto Lula e o apartamento 121, no Hill House, vizinho ao 122 em que mora desde a década de 1990.

 

Glaucos da Costamarques é acusado pela Lava Jato de ser “laranja” de Lula nas duas operações, que envolveram R$ 12,4 milhões em propinas da Odebrecht. Por isso, recebeu R$ 172 mil de pagamento como “comissão” por figurar como suposto dono dos negócios – ambos feitos em 2010 e conduzidos pelo advogado Roberto Teixeiram comprade do ex-presidente.

Odebrecht entrega recibos de doação de R$ 4 mi ao Instituto Lula

+ Marcelo diz que pagamentos a Lula vão além dos lançados na planilha ‘Italiano’

“Há incompatibilidade entre recursos e origens declaradas e movimentações bancárias a crédito nas contas do investigado Glaucos da Costamarques, em vários anos calendários, alguns mais expressivos”, informa a Informação de Pesquisa e Investigação 20160052, das equipe da Receita em Curitiba.

A Receita suspeita que cerca de R$ 758 mil passaram apenas pelas contas do “laranja”, nunca tendo pertencido a ele, em típica operação de lavagem de dinheiro.

Segundo a Receita, em 2010 além dos R$ 800 mil pagos pela DAG, o “laranja” recebeu empréstimo de R$ 1,66 milhão de dois filhos. Há outros empréstimos também do primo e amigo de Lula, Bumlai, como em 2012, no valor de R$ 450 mil.

Presidência pagou R$ 190 mil de aluguel do apartamento atribuído a Lula

O documento é de 30 de setembro de 2016 e integra a acusação do Ministério Público Federal contra Lula, o comprade e o “laranja”, que deve ser julgada ainda esse ano pelo juiz federal Sérgio Moro.

Lula foi condenado pelo juiz da Lava Jato em 12 de junho no processo do caso do triplex do Guarujá (SP), que ocultaria propinas da OAS, a 9 anos e 6 meses de prisão – ele recorre em liberdade.

121 Hill House. No caso do apartamento, Glaucos da Costamarques é o comprador dos direitos do imóvel, em 2010, por R$ 504 mil. Ele afirma que alugou o bem para a família Lula, em contrato feito por Teixeira em nome de Dona Marisa Letícia (que morreu em fevereiro).

O documento da Receita destaca como Glaucos da Costamarques obteve o direito sobre a compra do prédio da Rua Haberbecke Brandão, em São Paulo, em agosto de 2010, sem custo e o vende por R$ 800 mil um mês depois para a DAG Construtora, empresa usada como “laranja” da Odebrecht no negócio.

Duas operações conduzidas pelo advogado Roberto Teixeira.

Em declaração feita durante apuração da Receita, Glaucos da Costamarques explica que comprou o apartamento 121 do Hill House e fez negócios do prédio para o Instituto Lula por indicação de Roberto Teixeira.

Relata ainda que comprou o apartamento por ver nele uma boa oportunidade de negócio imobiliário. A Receita destaca que o 121 em São Bernardo é a única propriedade urbana de Costamarques fora de Campo Grande, onde reside e é proprietário rural.

 

 

Recibos. De 2011 a 2015, o “laranja” afirma não ter recebido o aluguel, apesar de lançar os pagamentos feitos pela família Lula. Na declaração de Imposto de Renda do ex-presidente também constam os pagamentos.

No último mês, a defesa de Lula entregou à Justiça 26 recebidos que compravariam os pagamentos, com datas que vão de 2011 a 2015 –  dois deles com erros de datas.

Costamarques afirmou que assinou todos em um dia a pedido de Roberto Teixeira, que em novembro de 2015 teria o procurado no hospital, às vésperas da prisão do primo Bumlai pela Lava Jato, e informado que passaria a pagar os alugueis do apartamento usado pela família Lula.

COM A PALAVRA, O ADVOGADO CRISTIANO ZANIN MARTINS, QUE DEFENDE LULA

“Com relação à afirmação de que “Costamarques afirmou que assinou todos em um dia a pedido de Roberto Teixeira, que em novembro de 2015 teria o procurado no hospital, às vésperas da prisão do primo Bumlai pela Lava Jato, e informado que passaria a pagar os alugueis do apartamento usado pela família Lula”, mencionada na reportagem “Receita registra movimentação suspeita em contas de laranja de Lula”, publicada em 4 de outubro de 207, a defesa do ex-presidente Lula esclarece que ela não é verdadeira, conforme consta do documento encaminhado pela defesa de Glaucos Costamarques ao juiz Sérgio Moro (documento em anexo)”.
Cristiano Zanin Martins

 

R$ 172.000,00 = 77.477 Merendas Escolares
Linhas existentes - 335 km
Linhas que poderiam existir - 934 km
N

São Paulo

10 km
Vacinas dos últimos anos
Vacinas que poderiam ser compradas
Aedes aegypti - transmissor da Dengue / Chicungunya / Zica
Nº de repelente
14.964 casos de 2013 a 2016
1.125 cartelas de Tamiflu
225 casos por H1N1
Foto: Clayton de Souza | Fonte base conversão: Estadão

Neste momento em que o País passa por uma situação crítica, com deficiência de serviços públicos básicos, diariamente há um volume de denúncias e suspeitas de desvio de dinheiro de proporções sempre surpreendentes. Milhares, milhões, bilhões. São cifras tão grandes que fica difícil para os leitores entender a real dimensão do problema. Com a ferramenta “De Real para Realidade”, o leitor vai poder interagir com as matérias do jornal, convertendo as quantias em benefícios como vacinas H1N1, ambulâncias, repelentes, casas populares, quilômetros de metrô, entre outros, conectando as notícias de onde o dinheiro desaparece com as notícias de onde ele está faltando.

Fonte base conversão: Estadão
O valor base de conversão de Ambulâncias é de R$ 82.406, baseado nas fontes fornecidas pelo Estadão Ambulância: R$ 82.406
O valor base de conversão de Caminhões-pipa é de R$ 516 (15 mil litros), baseado nas fontes fornecidas pelo Estadão Caminhão-pipa: R$ 516 (15 mil litros)
O valor base de conversão de Casas Populares é de R$ 200.000, baseado nas fontes fornecidas pelo Estadão Casa Popular: R$ 200.000
O valor base de conversão de Quilômetros de Metrô é de R$ 296.000.000, baseado nas fontes fornecidas pelo Estadão Km de Metrô: R$ 296.000.000
O valor base de conversão de Merendas Escolares é de R$ 2,22, baseado nas fontes fornecidas pelo Estadão Merenda Escolar: R$ 2,22
O valor base de conversão de Quadras Poliesportivas é de R$ 44.450, baseado nas fontes fornecidas pelo Estadão Quadra Poliesportiva: R$ 44.450
O valor base de conversão de Repelentes é de R$ 12, baseado nas fontes fornecidas pelo Estadão Repelente: R$ 12
O valor base de conversão de Tamiflus é de R$ 199 (75mg), baseado nas fontes fornecidas pelo Estadão Tamiflu: R$ 199 (75mg)
O valor base de conversão de Vacinas H1N1 é de R$ 120, baseado nas fontes fornecidas pelo Estadão Vacina H1N1: R$ 120
O valor base de conversão de Viaturas Policiais é de R$ 51.266 (Palio Weekend), baseado nas fontes fornecidas pelo Estadão Viatura Policial: R$ 51.266 (Palio Weekend)