Estadão

De Real para Realidade

i x Efeitos sonoros
Últimas Notícias

Presidente do PR se entrega à PF

Leia maisFechar
Fabio Serapião, Julia Affonso e Luiz Vassallo 28/11/2017, 17h24 Antônio Carlos Rodrigues, alvo da Operação Caixa D\'Água, estava foragido havia uma semana

Antonio Carlos Rodrigues. FOTO ED FERREIRA/AE

O presidente do PR, Antônio Carlos Rodrigues, ex-senador e ex-ministro dos Transportes (Governo Dilma – 2012/2014), entregou-se na tarde desta terça-feira, 28, à Polícia Federal, em Brasília. Alvo da Operação Caixa D’Água, investigação sobre propina de R$ 3 milhões da JBS para a campanha do ex-governador do Rio Anthony Garotinho (PR), o presidente do partido estava foragido havia uma semana.

Antônio Carlos Rodrigues entregou-se à Superintendência da PF acompanhado de um de seus advogados, Marcelo Bessa, que também representa o PR.

‘Garotinho, o ‘Líder’, entrou na sala muito irritado e disse que precisava de 5 milhões’

Receba no seu e-mail conteúdo de qualidade

Logo você receberá os melhores conteúdos em seu e-mail.

A Polícia federal informou que estava procurando Antônio Carlos Rodrigues a partir de informações que chegaram à corporação. “Nesse ínterim, ele (Rodrigues) se apresentou na Superintendência (em Brasília)”, destacou o delegado Eugênio Ricas, diretor da Divisão de Combate ao Crime Organizado, braço da PF.

Ricas disse que ‘ele (Rodrigues) próprio, de maneira voluntária, se apresentou’.

Provavelmente, nesta quarta-feira, 29, o presidente do PR deverá ser transferido para o Rio, onde tramita a Operação Caixa D’Água, que prendeu também os ex-governadores Anthony Garotinho e Rosinha.

“A gente estava procurando. Hoje (terça, 28), recebemos informação do possível paradeiro dele. (Uma semana) é um prazo razoável (para se localizar) pessoa foragida, que se furta à ação da polícia, foi isso que aconteceu. Ele se entregou voluntariamente”, assinalou Eugênio Ricas.

A investigação aponta que Garotinho e Rosinha teriam liderado uma organização criminosa, envolvendo empresários, políticos e secretários de governo do município de Campos de Goytacazes, norte do Rio, no período de 2009 a 2016, época em que ela chefiou a prefeitura local, e seu marido foi secretario de Governo, ‘cuja finalidade essencial era obter recursos financeiros para o financiamento das campanhas políticas do casal e do grupo a que pertenciam no Estado’.

OUTRAS DO BLOG: + Por 2 a 1, Segunda Turma do STF rejeita habeas e mantém Cunha na cadeia da Lava Jato

Tribunal mantém bloqueio de R$ 16 mi de Lula

Plenário do CNMP arquiva por unanimidade apuração sobre palestras de Deltan

PF atribui lavagem de dinheiro e associação criminosa a Geddel e Lúcio por bunker dos R$ 51 mi

Ministro nega liminares e mantém na cadeia Picciani e Paulo Melo

A acusação contra Antônio Carlos Rodrigues é montada com base na delação premiada do executivo Ricardo Saud, do Grupo J&F, controlador da JBS. Ele disse que teria sido ajustado com o PT e com o PMDB, nos mandatos de Lula e Dilma na Presidência uma doação de R$ 20 milhões ao PR para a campanha de 2014 que visava reeleger Dilma Rousseff.

Segundo Saud, por sua condição de presidente nacional do PR, Rodriges teria indicado os destinatários de parcelas da milionária contribuição. Na ocasião, Garotinho, candidato ao Governo do Rio pelo partido, estaria pressionando a direção nacional por uma contribuição de R$ 4 milhões, pleito que Rodrigues teria repassado à JBS – o grupo acabou anuindo em repassar parte desse valor, R$ 3 milhões, o que foi viabilizado por intermédio de contrato com a empresa do delator André Luiz Rodrigues, a Ocean Link, da região de Campos dos Goytacazes, norte do Rio, município então administrado pela mulher de Garotinho, Rosinha.

COM A PALAVRA, A DEFESA

Segundo o criminalista Daniel Bialski, que faz parte da equipe de defesa do ex-ministro, o presidente do PR Antônio Carlos Rodrigues ‘sempre esteve em Brasília e não tinha nenhuma intenção de ficar escondido’.

“Ele (Rodrigues) decidiu se apresentar para dar um fim a esse suplício”, disse Bialski. “Ele nunca se evadiu, estava esperando, como ainda espera, uma decisão judicial que reconheça a ilegalidade da medida (decreto de prisão preventiva na Operação Caixa D’Água).”

Inicialmente, a defesa do ex-ministro tentou quebrar a ordem de prisão preventiva por meio de habeas corpus no Tribunal Regional Eleitoral do Rio. O pedido foi rechaçado. A defesa foi, então, ao Tribunal Superior Eleitoral.

Daniel Bialski assinalou que o presidente do PR se apresentou ‘para que não tenham dúvida de que efetivamente ele jamais pretendeu obstruir a Justiça nem o bom andamento das investigações’

R$ 3.000.000,00 = 1.351.351 Merendas Escolares
Linhas existentes - 335 km
Linhas que poderiam existir - 934 km
N

São Paulo

10 km
Vacinas dos últimos anos
Vacinas que poderiam ser compradas
Aedes aegypti - transmissor da Dengue / Chicungunya / Zica
Nº de repelente
14.964 casos de 2013 a 2016
1.125 cartelas de Tamiflu
225 casos por H1N1
Foto: Clayton de Souza | Fonte base conversão: Estadão

Neste momento em que o País passa por uma situação crítica, com deficiência de serviços públicos básicos, diariamente há um volume de denúncias e suspeitas de desvio de dinheiro de proporções sempre surpreendentes. Milhares, milhões, bilhões. São cifras tão grandes que fica difícil para os leitores entender a real dimensão do problema. Com a ferramenta “De Real para Realidade”, o leitor vai poder interagir com as matérias do jornal, convertendo as quantias em benefícios como vacinas H1N1, ambulâncias, repelentes, casas populares, quilômetros de metrô, entre outros, conectando as notícias de onde o dinheiro desaparece com as notícias de onde ele está faltando.

Fonte base conversão: Estadão
O valor base de conversão de Ambulâncias é de R$ 82.406, baseado nas fontes fornecidas pelo Estadão Ambulância: R$ 82.406
O valor base de conversão de Caminhões-pipa é de R$ 516 (15 mil litros), baseado nas fontes fornecidas pelo Estadão Caminhão-pipa: R$ 516 (15 mil litros)
O valor base de conversão de Casas Populares é de R$ 200.000, baseado nas fontes fornecidas pelo Estadão Casa Popular: R$ 200.000
O valor base de conversão de Quilômetros de Metrô é de R$ 296.000.000, baseado nas fontes fornecidas pelo Estadão Km de Metrô: R$ 296.000.000
O valor base de conversão de Merendas Escolares é de R$ 2,22, baseado nas fontes fornecidas pelo Estadão Merenda Escolar: R$ 2,22
O valor base de conversão de Quadras Poliesportivas é de R$ 44.450, baseado nas fontes fornecidas pelo Estadão Quadra Poliesportiva: R$ 44.450
O valor base de conversão de Repelentes é de R$ 12, baseado nas fontes fornecidas pelo Estadão Repelente: R$ 12
O valor base de conversão de Tamiflus é de R$ 199 (75mg), baseado nas fontes fornecidas pelo Estadão Tamiflu: R$ 199 (75mg)
O valor base de conversão de Vacinas H1N1 é de R$ 120, baseado nas fontes fornecidas pelo Estadão Vacina H1N1: R$ 120
O valor base de conversão de Viaturas Policiais é de R$ 51.266 (Palio Weekend), baseado nas fontes fornecidas pelo Estadão Viatura Policial: R$ 51.266 (Palio Weekend)