Estadão

De Real para Realidade

i x Efeitos sonoros
Últimas Notícias

“Não recebi”

Leia maisFechar
Julia Affonso, Ricardo Brandt e Luiz Vassallo 26/09/2017, 13h04 Em interrogatório, em 6 de setembro, engenheiro Glaucos da Costa Marques afirmou ao juiz federal Sérgio Moro que a família não o pagou pelo aluguel do apartamento anexo ao do petista em São Bernardo do Campo

Glaucos da Costamarques. Foto: Reprodução

O engenheiro Glaucos da Costamarques afirmou em interrogatório perante o juiz federal Sérgio Moro, em 6 de setembro, que não recebeu alugueis pelo apartamento 121 do edifício Hill House, em São Bernardo do Campo (SP), ocupado pelo ex-presidente Lula. Nesta segunda-feira, 25, o petista apresentou recibos que comprovariam o pagamento. O imóvel teria sido adquirido pela empreiteira Odebrecht, por meio de Glaucos – suposto laranja do ex-presidente no negócio -, como forma de propina a Lula, réu nesta ação penal por corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

A Lava Jato afirma que não houve pagamento de aluguel entre fevereiro de 2011 e novembro de 2015.

“Não recebi”, disse Glaucos, taxativamente em interrogatório. O engenheiro declarou que não houve pagamento de atrasados.

Receba no seu e-mail conteúdo de qualidade

Logo você receberá os melhores conteúdos em seu e-mail.

Os recibos entregues pela defesa do ex-presidente contestam a versão dos procuradores. Segundo a documentação de Lula, os alugueis foram pagos em nome da ex-primeira-dama Marisa Leticia – morta em fevereiro deste ano vítima de um AVC.

Documento

O engenheiro disse que é primo distante do pecuarista José Carlos Bumlai, amigo de Lula. O avô do engenheiro é primo do bisavô de Bumlai. “Sou um primo distante, mas eu sou considerado mais que primo, porque muito amigo, né? Muito próximos”, afirmou.

Segundo o engenheiro, Bumlai e o advogado Roberto Teixeira – compadre de Lula e réu nesta ação – contaram a ele que o apartamento 121 ‘era alugado pelo PT antes de o Lula ser presidente’.

“Depois que ele virou presidente, o apartamento foi alugado pela secretaria da Presidência da República, com contrato. O apartamento entrou em espólio, morreu o dono do apartamento. O espólio ofereceu esse apartamento à venda pela preferência de quem aluga, ofereceu pra… Como eles não iam comprar, a Presidência não ia comprar o apartamento, então eles sabiam que o apartamento ia passar para alguém. O Zé Carlos me falou: ‘esse apartamento você pode comprar pra mim? Porque eu tô sem dinheiro agora e nós estamos com, não queremos que alguém estranho compre o apartamento e mude pra lá. Esse apartamento tem que continuar alugado’”, narrou o engenheiro.

‘Está uma suruba’, disse chefe de propinas da Odebrecht sobre planilha ‘italiano’

Tribunal condena Zé Dirceu a 30 anos e 9 meses e absolve Vaccari pela segunda vez

O ‘primo’ de Bumlai declarou que o pedido foi feito em julho de 2010. Glaucos contou que foi conversar com Roberto Teixeira e providenciou a documentação para a aquisição do imóvel.

De acordo com o engenheiro, ele fez três cheques administrativos. Um de R$ 390 mil, um de R$ 94 mil e um de R$ 20 mil, totalizando R$ 504 mil.

“Esses cheques eu fiz no dia 11 de agosto de 2010. Fui lá no Banco do Brasil, pedi os cheques e entreguei pro Roberto Teixeira”, disse o engenheiro.

OUTRAS DO BLOG: + Infiltrado do Exército em ato de rua contra Temer é intimado a depor

Imagem do Google Street evita pagamento indevido de pensão por morte, diz AGU

A escritura, declarou, foi passada em 20 de setembro de 2010.

“Eles pediram que queria ficar alugado pro Lula. Então, eu fiz um contrato, Roberto Teixeira que me trouxe, fiz um contrato com a dona Marisa Letícia. O contrato com a Presidência ia até 31 de janeiro de 2011. O meu contrato começava dia 1 de fevereiro de 2011. Tudo bem. Aguardei, não me pagaram o primeiro mês, não me pagaram o segundo mês, eu fui lá falar com o Zé Carlos. ‘Zé Carlos, o que está acontecendo que eles não estão pagando aluguel? Será que eles esqueceram? Porque eu passei os dados pro Roberto, da minha conta’. Ele falou: ‘olha, Glauco, não esquenta com isso aí. Isso aí, mais pra frente a gente acerta. Não fica preocupado’.”

A Moro, o engenheiro afirmou que passou a receber o aluguel em 2015. Glaucos disse que Roberto Teixeira o procurou em novembro daquele ano quando ele estava hospitalizado.

“O Roberto Teixeira esteve lá no hospital me falando: ‘olha, nós vamos pagar. De hoje em diante, nós vamos pagar o aluguel pra você’. Começaram a pagar. Começaram a pagar com um depósito na conta que eu passei, depósito no Santander. Mas não identificado. Eu acho que eles depositavam naqueles envelopes e aquele envelope tem um limite pra depósito. Acho que eles faziam em três. Então, aparecia lá, era, vamos supor, três mil, vamos por, não lembro quanto era o aluguel naquela época, três mil e trezentos, vamos supor. Eles punham um envelope de dois, um de mil e outro de oitocentos”, narrou.

O juiz da Lava Jato questionou Glaucos se Roberto Teixeira deu alguma explicação para começar a pagar.

“Eu não me recordo. Mas eu lembro que o José Carlos foi preso. Eu entrei no dia 22 de novembro no hospital. Dia 23 ele foi preso. Eu lembro da data por causa do hospital. E ele esteve lá no hospital no fim do mês de novembro”, contou.

Sérgio Moro perguntou a Glaucos por que ele estava dando informações diferentes daquelas que havia dito quando foi ouvido na Polícia Federal e na Receita. Na ocasião, afirmou o magistrado, Glaucos declarou que ‘havia uma espécie de compensação de débitos que ele tinha com Roberto Teixeira e por isso o escritório recebia o aluguel’.

“Eu dei a explicação pelo seguinte. Primeiro, que eu tinha um laço de amizade muito grande com o Zé Carlos, eu sou padrinho de um dos filhos dele. E se eu falasse alguma coisa, ele não me pagava, o sr entendeu? Ia virar um tumulto. Então, eu pensei o seguinte: eu vou esperar a hora certa, que é essa hora aqui e eu refazendo”, afirmou.

R$ 504.000,00 = 0,002 Quilômetros de Metrô
Linhas existentes - 335 km
Linhas que poderiam existir - 934 km
N

São Paulo

10 km
Vacinas dos últimos anos
Vacinas que poderiam ser compradas
Aedes aegypti - transmissor da Dengue / Chicungunya / Zica
Nº de repelente
14.964 casos de 2013 a 2016
1.125 cartelas de Tamiflu
225 casos por H1N1
Foto: Alex Silva | Fonte base conversão: Estadão

Neste momento em que o País passa por uma situação crítica, com deficiência de serviços públicos básicos, diariamente há um volume de denúncias e suspeitas de desvio de dinheiro de proporções sempre surpreendentes. Milhares, milhões, bilhões. São cifras tão grandes que fica difícil para os leitores entender a real dimensão do problema. Com a ferramenta “De Real para Realidade”, o leitor vai poder interagir com as matérias do jornal, convertendo as quantias em benefícios como vacinas H1N1, ambulâncias, repelentes, casas populares, quilômetros de metrô, entre outros, conectando as notícias de onde o dinheiro desaparece com as notícias de onde ele está faltando.

Fonte base conversão: Estadão
O valor base de conversão de Ambulâncias é de R$ 82.406, baseado nas fontes fornecidas pelo Estadão Ambulância: R$ 82.406
O valor base de conversão de Caminhões-pipa é de R$ 516 (15 mil litros), baseado nas fontes fornecidas pelo Estadão Caminhão-pipa: R$ 516 (15 mil litros)
O valor base de conversão de Casas Populares é de R$ 200.000, baseado nas fontes fornecidas pelo Estadão Casa Popular: R$ 200.000
O valor base de conversão de Quilômetros de Metrô é de R$ 296.000.000, baseado nas fontes fornecidas pelo Estadão Km de Metrô: R$ 296.000.000
O valor base de conversão de Merendas Escolares é de R$ 2,22, baseado nas fontes fornecidas pelo Estadão Merenda Escolar: R$ 2,22
O valor base de conversão de Quadras Poliesportivas é de R$ 44.450, baseado nas fontes fornecidas pelo Estadão Quadra Poliesportiva: R$ 44.450
O valor base de conversão de Repelentes é de R$ 12, baseado nas fontes fornecidas pelo Estadão Repelente: R$ 12
O valor base de conversão de Tamiflus é de R$ 199 (75mg), baseado nas fontes fornecidas pelo Estadão Tamiflu: R$ 199 (75mg)
O valor base de conversão de Vacinas H1N1 é de R$ 120, baseado nas fontes fornecidas pelo Estadão Vacina H1N1: R$ 120
O valor base de conversão de Viaturas Policiais é de R$ 51.266 (Palio Weekend), baseado nas fontes fornecidas pelo Estadão Viatura Policial: R$ 51.266 (Palio Weekend)