Estadão

De Real para Realidade

i x Efeitos sonoros
Últimas Notícias

‘Eu só obedecia ordens do comandante-geral’, diz coronel da Lava Jato da PM

Leia maisFechar
Marcelo Godoy e Marco Antonio Carvalho 06/10/2017, 05h00 Ele negocia delação premiada e quer envolver 18 coronéis em desvios de R$ 200 mi; criminalista diz que Adriano vai provar tudo o que disse

Foto: Reprodução de depoimento de José Afonso Adriano Filho

Era tudo ordem superior. E a defesa do principal acusado na Operação Imperador, a Lava Jato da Polícia Militar de São Paulo, afirma que o homem que promete entregar a cabeça de 18 coronéis vai provar tudo o disser no acordo de delação premiada que ele está negociando com o Ministério Público Estadual (MPE). Aos juízes da 4.ª Auditoria da Justiça Militar, o tenente-coronel José Afonso Adriano Filho, já disse que todas as obras que fez foram por determinação superior. “Do comandante-geral, do subcomandante-geral e do chefe do estado maior da PM. Se não tivesse ordens não executaria.” O tenente-coronel é acusado de estar no centro de um escândalo que envolve fraudes em centenas de contratos de obras de reformas de quartéis entre 2005 e 2012. Cerca de R$ 200 milhões teriam sido desviados.

OUTRAS DO BLOG: – Lava Jato investiga recibos de Lula
+ Temer perdeu a ‘visão da dignidade que o cargo exige dele’, diz procurador da Lava Jato
+ ‘Lava Jato da PM’ chega na Secretaria de Segurança Pública; Veja vídeo
+ Defesa de Battisti volta a pedir ao Supremo que barre extradição

O tenente-coronel confessou que entre 2005 e 2011 o setor que ele trabalhava, o Departamento de Suporte Administrativo (DSA), efetuou compras e obras sem que isso estivesse previsto na lista de encargos dessa unidade gestora. “A regularização aconteceu em 2011, coma alteração da tabela de encargos (veja as declarações do coronel em 13 minutos e 10 segundos do vídeo com seu depoimento).” Ele está preso desde do dia 9 de março sob a suspeita d éter ameaçado uma testemunha. Foi detido pessoalmente pelo então corregedor da PM, coronel Levy Félix. Estava em sua casa, no condomínio terras de São José, em Itu, um imóvel que os corregedores avaliaram em R# 10 milhões.

Receba no seu e-mail conteúdo de qualidade

Logo você receberá os melhores conteúdos em seu e-mail.

Adriano afirmou em seu interrogatório – anterior ao começo de suas tratativas para o acordo de delação para entregar os coronéis, entre os quais o ex-comandante-geral e atual deputado estadual Álvaro Camilo (PSD) – que fez obras em sedes de Comandos de Policiamento de Área, do Comando de Policiamento da Capital, do Quartel do Comando Geral, do Centro de Informações da PM e da Escola de Soldados. O interrogatório na Justiça aconteceu no dia 11 de julho. Até então, ele negava os desvios dos recursos.

“Tudo o que meu cliente disse será provado. Ele não será leviano”, disse o criminalista Luiz Antonio Nunes Filho, que defende Adriano. Por enquanto, o coronel ainda não entregou provas nem detalhou as condutas de cada coronel no suposto esquema . A Corregedoria acusa o cliente de Nunes Filho de ser o verdadeiro dono da empresa Construworld, contratada para diversas obras na PM – um dos sócios da empresa que aparecem na Junta Comercial confirmou a acusação. Ao ser questionado pelos juízes, Adriano contou que pegava cheques da empresa, depositava em sua conta corrente e depois sacava o dinheiro. “Comprava tudo em dinheiro e sem nota, que assim ficava mais em conta.”

Milhões. A Corregedoria da PM informou à Justiça Militar que encontrou R$ 18 milhões em movimentações bancárias nas contas do coronel e de seus familiares entre 2005 e 2012, período em que as fraudes ocorreram. Só um dos filhos – ainda estudante – teria movimentado R$ 1,3 milhão em um prazo de três anos. Só no primeiro processo que responde, Adriano é acusado de 207 crime.

Outro acusado no caso, o capitão da PM Dilermando César Silva é acusado de ter cometido 125 crimes. Ele era subordinado ao tenente-coronel. “Eu não lia o que assinava”, disse aos juízes da 4ª Auditoria (veja a frase em 1:34 do vídeo do capitão). Segundo ele, os documentos chegavam em sua mesa depois que os convites para as empresas participarem das licitações eram feitos por Adriano.

COM A PALAVRA A SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA

“A Secretaria de Segurança Pública esclarece que não realizou nenhuma reforma em sua sede entre 2005 e 2012. Em relação ao coronel João Claudio Valério, o mesmo atuou na SSP, a frente do Grupo de Planejamento Setorial, entre os anos de 2001 e 2006 quando se aposentou. Também exerceu a função de chefe de gabinete da secretaria de abril de 2008 a abril de 2009. Já o caso citado pela reportagem, está sob sigilo de justiça. A SSP reitera que não compactua com qualquer desvio de conduta. Todos as denúncias contra policiais, civis ou militares, são rigorosamente investigadas pelas respectivas Corregedorias.”

COM A PALAVRA, O MINISTÉRIO PÚBLICO ESTADUAL

“O Ministério Público de São Paulo informa que o senhor José Afonso Adriano Filho manifestou o interesse de fazer um acordo de delação premiada. No momento, as informações estão sob análise, em fase preliminar, não cabendo ao MPSP tecer qualquer tipo de consideração sobre tais tratativas.”

COM A PALAVRA, A POLÍCIA MILITAR E O DEPUTADO ESTADUAL ÁLVARO CAMILO (PSD)

“No caso que apura as irregulares do ex-PM Adriano, esclareço que trata-se de uma alegação completamente infundada, provavelmente motivada por vingança, tendo em vista que, eu, como Comandante-Geral, determinei imediata apuração dos fatos, afastando-o de suas atribuições e transferindo-o de Unidade (imagem abaixo). O resultado dessa investigação culminou com a perda de sua patente e salário. Vale ressaltar que o ex-PM tenta agora criar ilações para obter vantagens no processo em curso”.

COM A PALAVRA, O COMANDO DA PM

“O Comando da Polícia Militar informou que todas as acusações feitas pelo coronel Adriano serão analisadas. A corporação espera o fechamento do acordo de delação premiada com o Ministério Público Estadual para decidir se abre inquéritos contra os oficiais apontados por Adriano ou se abre um novo inquérito contra ao acusado, mas, desta vez, por denunciação caluniosa. A carta de Adriano acusando os 18 coronéis foi anexada aos 22 inquéritos que apuram as fraudes na PM.”

R$ 200.000.000,00 = 16.666.666 Repelentes
Linhas existentes - 335 km
Linhas que poderiam existir - 934 km
N

São Paulo

10 km
Vacinas dos últimos anos
Vacinas que poderiam ser compradas
Aedes aegypti - transmissor da Dengue / Chicungunya / Zica
Nº de repelente
14.964 casos de 2013 a 2016
1.125 cartelas de Tamiflu
225 casos por H1N1
Foto: Clayton de Souza | Fonte base conversão: Estadão

Neste momento em que o País passa por uma situação crítica, com deficiência de serviços públicos básicos, diariamente há um volume de denúncias e suspeitas de desvio de dinheiro de proporções sempre surpreendentes. Milhares, milhões, bilhões. São cifras tão grandes que fica difícil para os leitores entender a real dimensão do problema. Com a ferramenta “De Real para Realidade”, o leitor vai poder interagir com as matérias do jornal, convertendo as quantias em benefícios como vacinas H1N1, ambulâncias, repelentes, casas populares, quilômetros de metrô, entre outros, conectando as notícias de onde o dinheiro desaparece com as notícias de onde ele está faltando.

Fonte base conversão: Estadão
O valor base de conversão de Ambulâncias é de R$ 82.406, baseado nas fontes fornecidas pelo Estadão Ambulância: R$ 82.406
O valor base de conversão de Caminhões-pipa é de R$ 516 (15 mil litros), baseado nas fontes fornecidas pelo Estadão Caminhão-pipa: R$ 516 (15 mil litros)
O valor base de conversão de Casas Populares é de R$ 200.000, baseado nas fontes fornecidas pelo Estadão Casa Popular: R$ 200.000
O valor base de conversão de Quilômetros de Metrô é de R$ 296.000.000, baseado nas fontes fornecidas pelo Estadão Km de Metrô: R$ 296.000.000
O valor base de conversão de Merendas Escolares é de R$ 2,22, baseado nas fontes fornecidas pelo Estadão Merenda Escolar: R$ 2,22
O valor base de conversão de Quadras Poliesportivas é de R$ 44.450, baseado nas fontes fornecidas pelo Estadão Quadra Poliesportiva: R$ 44.450
O valor base de conversão de Repelentes é de R$ 12, baseado nas fontes fornecidas pelo Estadão Repelente: R$ 12
O valor base de conversão de Tamiflus é de R$ 199 (75mg), baseado nas fontes fornecidas pelo Estadão Tamiflu: R$ 199 (75mg)
O valor base de conversão de Vacinas H1N1 é de R$ 120, baseado nas fontes fornecidas pelo Estadão Vacina H1N1: R$ 120
O valor base de conversão de Viaturas Policiais é de R$ 51.266 (Palio Weekend), baseado nas fontes fornecidas pelo Estadão Viatura Policial: R$ 51.266 (Palio Weekend)