Estadão

De Real para Realidade

i x Efeitos sonoros
Últimas Notícias

‘É Lei Rouanet, mas não é 100 por cento correto, todo mundo faz’

Leia maisFechar
Julia Affonso e Karina Campos, especial para o Blog 06/11/2017, 15h49 Interceptação telefônica da Operação Boca Livre pegou executivo do Grupo Bellini Cultural, Bruno Amorim, conversando com sua mãe Ana Lúcia sobre como operava o esquema de fraudes via Lei Rouanet

A Operação Boca Livre, ação em parceria da Polícia Federal com a Procuradoria da República, pegou um diálogo do executivo Bruno Amorim, filho do fundador do Grupo Bellini Cultural, em que ele admite que seu método de trabalho ‘não é 100% correto’. Ele conversa com a mãe, Ana Lúcia, também ligada ao grupo no qual se teria alojado uma organização criminosa para fraudar o Tesouro por meio de desvios de recursos via Lei Rouanet.

Documento

A transcrição do diálogo consta da denúncia criminal que a Procuradoria levou à Justiça Federal contra 32 investigados, entre eles executivos de grandes empresas que se teriam beneficiado da fraude no montante desviado de R$ 21 milhões.

Receba no seu e-mail conteúdo de qualidade

Logo você receberá os melhores conteúdos em seu e-mail.

RELEMBRE A BOCA LIVRE: + Lei Rouanet pagou até festa de casamento, aponta Boca Livre

Justiça acha R$ 159 em 5 contas do noivo que bancou casório de luxo com Lei Rouanet

Bruno: Porque o que eu faço, na verdade, não é 100 por cento correto, entendeu? É tipo… eu cumpro a lei, mas não poderia tá fazendo o que eu faço

Ana Lúcia: Por que?

Bruno: : Por que não, mãe. Sei lá, é complicado

Ana Lùcia: Não é Lei Rouanet?

Bruno: Não, é Lei Rouanet, mas não é 100 por cento. Ah, depois eu te explico. Mas não é 100 por cento correto.

Ana Lúcia: Mas, filho, se não é 100 por cento…

Bruno: TODO MUNDO FAZ, todo mundo faz

Ana Lúcia: É, filho, mas isso implica em quê?

Bruno: Não, não implica em nada, mãe. Eu tô dando, tipo, as contrapartidas sociais, plano do projeto…

Ana Lúcia: Tá o quê?

Bruno: Tô fazendo tudo certinho

Ana Lúcia: Ham. Mas o que que não é correto, Bruno?

Bruno: É porque eu dô uma contrapartida a mais pro patrocinador que não podia dar, mas tudo bem, isso daí todo mundo dá, entendeu?

Na denúncia à Justiça, a Procuradoria assinala. “Como filho do fundador do Grupo Bellini, Bruno Amorim atuava como representante do setor de Relações Públicas do grupo, realizando, desde a cooptação de patrocinadores, até a coordenação da realização de projetos.”

Segundo a acusação, ‘nesse contexto, (Bruno) apresentava a marca Bellini Cultural para possíveis patrocinadoras, explicitando todas as vantagens na utilização dos chamados incentivos fiscais’.

“Oferecia, ainda, contrapartidas, aos patrocinadores, em troca de seus aportes de recursos, as quais eram vendidas como ‘a execução de um evento institucional que teria uma contrapartida social’. Buscava, ainda, estabelecer parceiras junto a empresas do ramo cultural que já possuíam projetos aprovados. Bruno Amorim era plenamente ciente das fraudes que executava, como se pode extrair de um diálogo interceptado.”

COM A PALAVRA, O GRUPO BELLINI

O Grupo Bellini não se manifestou. O espaço está aberto.

R$ 21.000.000,00 = 1.750.000 Repelentes
Linhas existentes - 335 km
Linhas que poderiam existir - 934 km
N

São Paulo

10 km
Vacinas dos últimos anos
Vacinas que poderiam ser compradas
Aedes aegypti - transmissor da Dengue / Chicungunya / Zica
Nº de repelente
14.964 casos de 2013 a 2016
1.125 cartelas de Tamiflu
225 casos por H1N1
Foto: Clayton de Souza | Fonte base conversão: Estadão

Neste momento em que o País passa por uma situação crítica, com deficiência de serviços públicos básicos, diariamente há um volume de denúncias e suspeitas de desvio de dinheiro de proporções sempre surpreendentes. Milhares, milhões, bilhões. São cifras tão grandes que fica difícil para os leitores entender a real dimensão do problema. Com a ferramenta “De Real para Realidade”, o leitor vai poder interagir com as matérias do jornal, convertendo as quantias em benefícios como vacinas H1N1, ambulâncias, repelentes, casas populares, quilômetros de metrô, entre outros, conectando as notícias de onde o dinheiro desaparece com as notícias de onde ele está faltando.

Fonte base conversão: Estadão
O valor base de conversão de Ambulâncias é de R$ 82.406, baseado nas fontes fornecidas pelo Estadão Ambulância: R$ 82.406
O valor base de conversão de Caminhões-pipa é de R$ 516 (15 mil litros), baseado nas fontes fornecidas pelo Estadão Caminhão-pipa: R$ 516 (15 mil litros)
O valor base de conversão de Casas Populares é de R$ 200.000, baseado nas fontes fornecidas pelo Estadão Casa Popular: R$ 200.000
O valor base de conversão de Quilômetros de Metrô é de R$ 296.000.000, baseado nas fontes fornecidas pelo Estadão Km de Metrô: R$ 296.000.000
O valor base de conversão de Merendas Escolares é de R$ 2,22, baseado nas fontes fornecidas pelo Estadão Merenda Escolar: R$ 2,22
O valor base de conversão de Quadras Poliesportivas é de R$ 44.450, baseado nas fontes fornecidas pelo Estadão Quadra Poliesportiva: R$ 44.450
O valor base de conversão de Repelentes é de R$ 12, baseado nas fontes fornecidas pelo Estadão Repelente: R$ 12
O valor base de conversão de Tamiflus é de R$ 199 (75mg), baseado nas fontes fornecidas pelo Estadão Tamiflu: R$ 199 (75mg)
O valor base de conversão de Vacinas H1N1 é de R$ 120, baseado nas fontes fornecidas pelo Estadão Vacina H1N1: R$ 120
O valor base de conversão de Viaturas Policiais é de R$ 51.266 (Palio Weekend), baseado nas fontes fornecidas pelo Estadão Viatura Policial: R$ 51.266 (Palio Weekend)