Estadão

De Real para Realidade

i x Efeitos sonoros
Últimas Notícias

Vai ter governo?

Leia maisFechar
Vera Magalhães, 05/11/2017, 05h00 Temer precisa cobrar que, para além da equipe econômica, exista vida inteligente na Esplanada

Nem bem se livrou da ameaça da segunda denúncia apresentada contra ele pelo Ministério Público Federal, Michel Temer teve de sair de cena, abatido por problemas de saúde. O “dia 1” do pós-Janot, portanto, foi adiado uma vez mais. Diante do estado das coisas, resta saber se haverá um governo digno desse nome.

Desde maio, Temer foi um presidente dedicado única e exclusivamente à missão de se segurar na cadeira. Em questões cruciais como a nova meta fiscal foi um coadjuvante, delegando à equipe econômica a negociação dos números. Mesmo nas poucas iniciativas propositivas, como o anúncio do último pacote de concessões, o peemedebista parecia deslocado, não teve papel central.

O resultado de meses de um presidente voltado a uma pauta só é a completa bagunça de um Ministério que, desde o início, já era fraco, marcado por indicações mais políticas do que técnicas, e que sempre teve na grave restrição fiscal um obstáculo para qualquer realização mais ousada.

Portarias que são revogadas em seguida, por desastradas; declarações que caem como bigornas; pedidos indecentes; e denúncias de irregularidades são os aspectos visíveis e deploráveis de um primeiro escalão que, com poucas exceções, não estaria qualificado para compor nem o terceiro. Que é fruto da draga política, ética e econômica em que o Brasil foi jogado pelo “dilmo-temerismo”, essa chaga legada pelo lulismo.

Receba no seu e-mail conteúdo de qualidade

Logo você receberá os melhores conteúdos em seu e-mail.

A semana que passou, que deveria ter sido de calmaria depois de meses de tempestade política sobre Brasília, acabou sendo dominada pelos desastres dos ministros de Temer. 

Primeiro foi Torquato Jardim, que de maneira completamente irresponsável, por se tratar do titular da pasta da Justiça, apontou um conluio entre comandantes da polícia do Rio, deputados estaduais e o crime organizado. Mais: acusou esse consórcio de ter feito “queima de arquivo” de um coronel. E disse que há informações de inteligência atestando tudo isso, mas não tomou nenhuma providência concreta – algo que seria sua responsabilidade fazer.

De volta de sua convalescença, Temer tem obrigação de cobrar atitudes do ministro, assim como a tem o Ministério Público. Uma coisa é a ideia difundida na sociedade de que existe “contaminação” das forças de segurança do Rio, em algum grau, pelo crime organizado. Outra completamente diferente é o ministro da Justiça afirmar e reafirmar isso e tudo ser tratado como se não passasse de um mal-entendido.

Da mesma maneira, Luislinda Valois perdeu as condições para comandar a pasta dos Direitos Humanos depois do papelão público de sua petição para ganhar R$ 61,4 mil, invocando uma chaga histórica como a escravidão. Não se viu o mesmo empenho da tucana para combater a portaria de seu colega da pasta do Trabalho que dificultava o combate análogo à escravidão como aquele que demonstrou para manter intocados seus dois salários – que lhe permitiriam, segundo ela, se vestir e se maquiar de forma condizente com o cargo.

Há meses não se tem notícia de uma reunião ministerial comandada por Michel Temer. Não se sabe de uma cobrança do presidente por metas, projetos e realizações de sua trupe de trapalhões. Disparates são ditos e desmentidos, ministros são indiciados ou denunciados, portarias são editadas e revogadas sem que ninguém seja sequer admoestado. 

Agora que aparentemente conseguiu um passe livre até o fim de 2018 seria bom que Temer se empenhasse para que, além da equipe econômica – um oásis de racionalidade e eficiência nesse mar de nulidades – exista comando e vida inteligente na Esplanada dos Ministérios. Que comece por fazer com que seus comandados parem de vomitar bobagens em praça pública. Já parece mais do que eles podem entregar.

R$ 61.400,00 = 5.116 Repelentes
Linhas existentes - 335 km
Linhas que poderiam existir - 934 km
N

São Paulo

10 km
Vacinas dos últimos anos
Vacinas que poderiam ser compradas
Aedes aegypti - transmissor da Dengue / Chicungunya / Zica
Nº de repelente
14.964 casos de 2013 a 2016
1.125 cartelas de Tamiflu
225 casos por H1N1
Foto: Clayton de Souza | Fonte base conversão: Estadão

Neste momento em que o País passa por uma situação crítica, com deficiência de serviços públicos básicos, diariamente há um volume de denúncias e suspeitas de desvio de dinheiro de proporções sempre surpreendentes. Milhares, milhões, bilhões. São cifras tão grandes que fica difícil para os leitores entender a real dimensão do problema. Com a ferramenta “De Real para Realidade”, o leitor vai poder interagir com as matérias do jornal, convertendo as quantias em benefícios como vacinas H1N1, ambulâncias, repelentes, casas populares, quilômetros de metrô, entre outros, conectando as notícias de onde o dinheiro desaparece com as notícias de onde ele está faltando.

Fonte base conversão: Estadão
O valor base de conversão de Ambulâncias é de R$ 82.406, baseado nas fontes fornecidas pelo Estadão Ambulância: R$ 82.406
O valor base de conversão de Caminhões-pipa é de R$ 516 (15 mil litros), baseado nas fontes fornecidas pelo Estadão Caminhão-pipa: R$ 516 (15 mil litros)
O valor base de conversão de Casas Populares é de R$ 200.000, baseado nas fontes fornecidas pelo Estadão Casa Popular: R$ 200.000
O valor base de conversão de Quilômetros de Metrô é de R$ 296.000.000, baseado nas fontes fornecidas pelo Estadão Km de Metrô: R$ 296.000.000
O valor base de conversão de Merendas Escolares é de R$ 2,22, baseado nas fontes fornecidas pelo Estadão Merenda Escolar: R$ 2,22
O valor base de conversão de Quadras Poliesportivas é de R$ 44.450, baseado nas fontes fornecidas pelo Estadão Quadra Poliesportiva: R$ 44.450
O valor base de conversão de Repelentes é de R$ 12, baseado nas fontes fornecidas pelo Estadão Repelente: R$ 12
O valor base de conversão de Tamiflus é de R$ 199 (75mg), baseado nas fontes fornecidas pelo Estadão Tamiflu: R$ 199 (75mg)
O valor base de conversão de Vacinas H1N1 é de R$ 120, baseado nas fontes fornecidas pelo Estadão Vacina H1N1: R$ 120
O valor base de conversão de Viaturas Policiais é de R$ 51.266 (Palio Weekend), baseado nas fontes fornecidas pelo Estadão Viatura Policial: R$ 51.266 (Palio Weekend)