Estadão

De Real para Realidade

i x Efeitos sonoros
Últimas Notícias

Sr. João Muniz, o contador que sabe de Lula

Leia maisFechar
Luiz Vassallo, Julia Affonso e Ricardo Brandt 29/09/2017, 05h00 Elo dos advogados do ex-presidente foi ao hospital Sírio-Libanês em novembro de 2015 e teria pedido ao empresário Glaucos da Costamarques para assinar recibos do aluguel do apartamento vizinho à residência do petista, em São Bernardo do Campo

O contador João Muniz Leite, evocado por Glaucos da Costamarques em processo na Lava Jato envolvendo supostas propinas da Odebrecht a Lula, já admitiu à Polícia, em 2008, sua ligação com o compadre e advogado do ex-presidente, Roberto Teixeira. Ele é apontado pelo primo de José Carlos Bumlai como o intermediário de Teixeira que o visitou no hospital Sírio Libanês, em São Paulo, para que assinasse recibos de aluguel do apartamento vizinho à residência do ex-presidente, em São Bernardo. O imóvel é uma das supostas vantagens indevidas da empreiteira em benefício do ex-presidente e Glaucos é tido pela força-tarefa como ‘laranja’ na ocultação da real titularidade do apartamento. O contador prestou depoimento em que mencionou Teixeira no âmbito de investigações sobre o advogado que ocorreram há nove anos.

Para a força-tarefa da Lava Jato, a Odebrecht custeou a compra do apartamento, em nome de Glaucos da Costamarques, primo do pecuarista José Carlos Bumlai, amigo do ex-presidente. Na mesma ação, ele responde por também ter supostamente recebido da empreiteira terreno onde seria sediado o Instituto Lula, no valor de R$ 12,5 milhões.

A denúncia da Procuradoria da República sobre o apartamento 121, no edifício Hill House -vizinho à residência de Lula, em São Bernardo do Campo – ainda aponta que propinas pagas pela Odebrecht, no esquema que seria liderado pelo ex-presidente, chegaram a R$ 75 milhões em oito contratos com a Petrobrás.

A Lava Jato afirma que não houve pagamento de aluguel entre fevereiro de 2011 e pelo menos novembro de 2015. Nesta segunda-feira, 25, a defesa do ex-presidente apresentou recibos do recebimento de aluguel assinados por Glaucos da Costamarques neste período.

Receba no seu e-mail conteúdo de qualidade

Logo você receberá os melhores conteúdos em seu e-mail.

Nesta quinta-feira, 28, a defesa de Glaucos reiterou a Moro que só passou a receber efetivamente os pagamentos após visita que recebeu do advogado de Lula, em 2015. No dia seguinte, ele diz ter recebido a visita do contador João Muniz Leite que o entregou para assinar os recibos dos quatro anos de pagamentos de uma vez.

O próprio Muniz já havia admitido, sete anos antes visita narrada por Glaucos, seu envolvimento com Teixeira. À época, ele foi ouvido pela Polícia Civil de São Paulo sobre investigação em torno da empresa Health Translating Ltda, suspeita de envolvimento na conexão Brasil-Angola do tráfico internacional de cocaína. De acordo com o inquérito, a Health é a origem da Voloex Participações e Investimentos, criada a pedido do empresário Lap Chan para exercer a opção de compra das ações dos então sócios brasileiros da VarigLog.

A operação teria contado com a participação do advogado Roberto Teixeira, o compadre do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

O inquérito indicava que, mais do que atuar para que a Varig fosse vendida à VarigLog, o escritório de Teixeira teria arquitetado contrato que transformou a Health Translating em Voloex Participações.

À época, Muniz disse que foi procurado em agosto de 2007 por Larissa Teixeira, filha de Roberto. Segundo ela, “um cliente queria constituir uma empresa no Brasil com a maior brevidade possível, não especificando o ramo”.

R$ 75.000.000,00 = 1.462 Viaturas Policiais
Linhas existentes - 335 km
Linhas que poderiam existir - 934 km
N

São Paulo

10 km
Vacinas dos últimos anos
Vacinas que poderiam ser compradas
Aedes aegypti - transmissor da Dengue / Chicungunya / Zica
Nº de repelente
14.964 casos de 2013 a 2016
1.125 cartelas de Tamiflu
225 casos por H1N1
Foto: Epitácio Pessoa | Fonte base conversão: Estadão

Neste momento em que o País passa por uma situação crítica, com deficiência de serviços públicos básicos, diariamente há um volume de denúncias e suspeitas de desvio de dinheiro de proporções sempre surpreendentes. Milhares, milhões, bilhões. São cifras tão grandes que fica difícil para os leitores entender a real dimensão do problema. Com a ferramenta “De Real para Realidade”, o leitor vai poder interagir com as matérias do jornal, convertendo as quantias em benefícios como vacinas H1N1, ambulâncias, repelentes, casas populares, quilômetros de metrô, entre outros, conectando as notícias de onde o dinheiro desaparece com as notícias de onde ele está faltando.

Fonte base conversão: Estadão
O valor base de conversão de Ambulâncias é de R$ 82.406, baseado nas fontes fornecidas pelo Estadão Ambulância: R$ 82.406
O valor base de conversão de Caminhões-pipa é de R$ 516 (15 mil litros), baseado nas fontes fornecidas pelo Estadão Caminhão-pipa: R$ 516 (15 mil litros)
O valor base de conversão de Casas Populares é de R$ 200.000, baseado nas fontes fornecidas pelo Estadão Casa Popular: R$ 200.000
O valor base de conversão de Quilômetros de Metrô é de R$ 296.000.000, baseado nas fontes fornecidas pelo Estadão Km de Metrô: R$ 296.000.000
O valor base de conversão de Merendas Escolares é de R$ 2,22, baseado nas fontes fornecidas pelo Estadão Merenda Escolar: R$ 2,22
O valor base de conversão de Quadras Poliesportivas é de R$ 44.450, baseado nas fontes fornecidas pelo Estadão Quadra Poliesportiva: R$ 44.450
O valor base de conversão de Repelentes é de R$ 12, baseado nas fontes fornecidas pelo Estadão Repelente: R$ 12
O valor base de conversão de Tamiflus é de R$ 199 (75mg), baseado nas fontes fornecidas pelo Estadão Tamiflu: R$ 199 (75mg)
O valor base de conversão de Vacinas H1N1 é de R$ 120, baseado nas fontes fornecidas pelo Estadão Vacina H1N1: R$ 120
O valor base de conversão de Viaturas Policiais é de R$ 51.266 (Palio Weekend), baseado nas fontes fornecidas pelo Estadão Viatura Policial: R$ 51.266 (Palio Weekend)